Língua Portuguesa em Uso > Operação Catilinária - Interpretação de Textos

Operação Catilinária - Interpretação de Textos


Gloria Galli

Categorias: atividades_interpretação de textos |

Expressões nominais em textos

É comum encontrarmos em textos jornalísticos e/ou argumentativos, expressões nominais que remetem a episódios históricos com a finalidade de metaforizar a notícia que se pretende publicar. Assim sendo, muitas vezes temos que buscar na história o que referencia tais expressões. É o que aqui fazemos para entender o excerto abaixo.

[...]

“A Polícia Federal e o Ministério Público Federal cumpriram na manhã desta terça-feira (15) mandado de busca e apreensão na residência oficial do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em Brasília. A PF também cumpriu mandados na casa e no escritório do peemedebista no Rio de Janeiro e na Diretoria Geral da Câmara dos Deputados. A ação, batizada de Catilinárias, faz parte das investigações da Operação Lava Jato. Discurso de Cícero contra Catilina.”

Fonte: (Disponível em: http://g1.globo.com/politica/operacao-lava-jato/noticia/2015/12/policia-federal-cumpre-mandado-de-busca-e-apreensao-na-casa-de-cunha.html)

O texto mostra o que a mídia nacional explorou em toda a manhã de hoje, ou seja, os relatos envolvendo a chamada Operação Catilinária conforme referencia o texto, que estaria ligada a outra operação denominada Lava Jato.
A denominação ‘Catilinária’ faz referência do Discurso do cônsul Cícero ao senador Catilina, quando então pretendia derrubar a República romana. O texto ficou famoso pois expressa os argumentos de Cícero contra o referido senador.

Tomemos, portanto, um excerto do tal discurso para entender o porquê do termo “Operação Catilinária” e, aproveitando, fazer um exercício de interpretação de texto.

[...] Cícero e Catilina

JÁ NÃO PODES VIVER MAIS TEMPO CONOSCO

I
Até quando, ó Catilina, abusarás da nossa paciência? Por quanto tempo ainda há-de zombar de nós essa tua loucura? A que extremos se há-de precipitar a tua audácia sem freio? Nem a guarda do Palatino, nem a ronda nocturna da cidade, nem os temores do povo, nem a afluência de todos os homens de bem, nem este local tão bem protegido para a reunião do Senado, nem o olhar e o aspecto destes senadores, nada disto conseguiu perturbar-te? Não sentes que os teus planos estão à vista de todos? Não vês que a tua conspiração a têm já dominada todos estes que a conhecem? Quem, de entre nós, pensas tu que ignora o que fizeste na noite passada e na precedente, em que local estiveste, a quem convocaste, que deliberações foram as tuas?

Fonte: Disponível em: http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=791

Comentários

artigos mais revisados

Gedini
2013-08-05
Quiasmo

pesquise na base

Participe no LPeU, faça login para receber nossa newsletter ou enviar dúvidas Login via Facebook