Login
por Gedini em 2013-05-17.

Texto descritivo narrativo O Guarani

Nos textos descritivos os acontecimentos ocorrem num mesmo momento, são concomitantes; predominam verbos de estado; não ocorrem mudanças significativas. Os textos descritivos-narrativos são aqueles que apresentam as características dos textos descritivos, mas também há marcas de textos narrativos, tais como sequência temporal ou a mudança de estado. É difícil haver um texto puramente descritivo ou narrativo - nas descrições pode haver marcas das narrativas e vice-versa. Geralmente, as narrativas iniciam-se por um texto descritivo para a apresentação do cenário, local estrategicamente organizado pelo autor, para situar o leitor mais próximo dos futuros acontecimentos.

Seguem abaixo excertos da primeira parte da obra O Guarani, de José de Alencar, como ilustração de uma redação descritiva-narrativa, pois embora com redação descritiva, o narrador dando características animadas ao rio, acompanha-o em sua trajetória, e até assiste ao seu adormecer. Portanto, há no texto características da narrativa:

Os aventureiros

Cenário
De um dos cabeços da Serra dos Órgãos desliza um fio de água que se dirige para o norte, e engrossado com os mananciais que recebe no seu curso de dez léguas, torna-se rio caudal. É o Paquequer: saltando de cascata em cascata, enroscando-se como uma serpente, vai depois se espreguiçar na várzea e embeber no Paraíba, que rola majestosamente em seu vasto leito. Dir-se-ia que, vassalo e tributário desse rei das águas, ... curva-se humildemente aos pés do suserano:

(...) Aí, o Paquequer lança-se rápido sobre o seu leito, e atravessa as florestas como o tapir, espumando, ... enchendo a solidão com o   estampido de sua carreira.  
(...) se estende sobre a terra, e adormece numa linda bacia que a    natureza formou, ...sob as cortinas de trepadeiras e flores agrestes.     
(...) florestas virgens se estendiam ao longo das margens do rio, que corria no meio das arcarias de verdura e dos capitéis formados pelos leques das palmeiras.   
(...) No ano da graça de 1604, o lugar que acabamos de descrever estava deserto e inculto; (..)

Outro exemplo de um texto descritivo-narrativo:

(..)   
"Foi até a cozinha. Tomou um gole de chá   
com uma bolacha água-e-sal. Ainda pensou   
em abandonar o plano. Mas, como se salvaria?  
Lavou as mãos e o rosto. Saiu de casa.   
Trancou o minúsculo quarto-e-cozinha. Aluguel atrasado.  
Despensa vazia. Contava os trocados para pegar o ônibus.  
(AUGUSTO, Rogério. “Flores”. Cult. Revista Brasileira de Literatura, nº. 48, p. 34.)

Achou útil este artigo? Então compartilhe com seus amigos no Facebook. Caso queira deixar comentários utilize a opção Participe.

Sobre o artigo

Este conteúdo foi originalmente criado por Gloria Galli, nome de usuário Gedini, em 2013-05-17 e está disponível com a licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Brasil. Outros autores também podem colaborar com este artigo.

Você poderá referenciar este artigo com o uso do link abaixo e incluir nota com o nome do autor:

Salvar e enviar para meu e-mail
Votar (1 estrela)
Votar (2 estrelas)
Votar (3 estrelas)

Enviar Você será enviado para criar um 'login' com seu e-mail.