LPeU - língua portuguesa em uso Língua Portuguesa em Uso

Criado por Gedini
em 2013-05-16.

Sobre funções dos pronomes

Os pronomes pessoais do caso reto

Exercem na frase a função de sujeito:
«Ele pediu para eu comprar um livro.»
«Eu li.»
«Tu lês.»
«Palavras que eu não mais usava ali estavam e figuram na história.»

nota:
Antes do verbo infinitivo só usamos eu e tu (jamais mim e ti):
«Este livro é para eu ler.»
«Este livro é para tu leres.»

Os pronomes pessoais do caso oblíquo

Exercem na frase a função de complemento. As formas oblíquas mim, ti, e si vêm sempre precedidas de preposição:
«Não apenas escrevi o livro, mas o livro também escreveu por mim.

Quando concorrem numa frase pronomes da 1ª e 2ª pessoas, tem prioridade o da 1ª pessoa - 'mim'. Assim a língua culta prefere 'entre mim e ti a 'entre ti e mim':
«Entre mim e ti há uma distância enorme.»
«Uma discussão aconteceu entre mim e ti

Com a preposição entre (lugar, posição intermediária) rege pronome oblíquo tônico ( = mim, ti, ele, ela, si, nós, vós, eles, elas, si):
«Entre mim e ti há uma grande distância.»
«Entre ela e mim sempre houve entendimento.»
«Entre você e mim quase não há segredos.»
«Entre mim e ele há um oceano de distância.»

Os pronomes oblíquos o, a, os, as são obrigatoriamente objetos diretos:
«Pedro levou-a para dançar.»
«Redigiu-as com carinho, afinal, eram as cartas para a namorada.»

Depois das formas verbais terminadas em 'r', 's' ou 'z', os pronomes o, a, as, os assumem a antiga forma 'lo', 'la', 'los', 'las', suprindo-se o r, s, z:
«Olhei a casa e pensei em reformá-la - transformá-la num estilo mais moderno.»
«Não pensei duas vezes, fi-lo no primeiro impulso.»

Os pronomes lhe, lhes são objetos indiretos:
«Paulo rompeu com o seu chefe: entregou-lhe os papéis e saiu para nunca mais.»
«O diretor enviou-lhes o convite pelo correio.»

O pronome oblíquo se tem a função de pronome reflexivo:
«Quem espera por uma história sombria surpreende-se

Os pronomes de tratamento

Os pronomes pessoais de tratamento, embora na 2ª pessoa, exigem verbos, pronomes oblíquos e possessivos na 3ª pessoa:
«Vossa Excelência sabe que seus eleitores o apoiarão.»

nota 1:
Quando falamos diretamente com a pessoa, usamos o pronome de tratamento na forma Vossa:
«Vossa Santidade está certo.» (falando com o Papa)

nota 2: Quando falamos a respeito da pessoa, usamos o pronome de tratamento na forma Sua:
«Sua Santidade está preocupado.» (falando a respeito do Papa)

Os pronomes possessivos

  • O pronome possessivo indica a pessoa gramatical a que as coisas pertencem. Concordam em gênero e número com a coisa possuída:
    «O meu caderno está na estante.»

  • O pronome possessivo não está com idéia de posse, mas indicando respeito, aproximação e intimidade em relação a alguém:
    «Meu amigo, procure sua mãe.»

  • Pronome possessivo de 3ª pessoa pode gerar ambiguidade, ou seja, uma dúvida quanto as referência do enunciado. Neste caso, pode-se optar pelo uso de 'dele ou dela', como no caso:
    «A filha disse ao pai, que concordava com sua atitude.»
    «A filha disse ao pai, que concordava com a atitude dele.»

Os pronomes demonstrativos

O pronome demonstrativo indica a posição de algum ser em relação às pessoas do discurso, situando-o no tempo ou no espaço:
«Aquela é a minha casa.»

O pronome demonstrativo de 1ª pessoa este, está indicando o que está relativamente próximo à pessoa que fala (tempo presente); caso fosse o pronome demonstrativo na 2ª pessoa esse, o pronome indicaria tempo passado relativamente próximo ao momento em que se fala:

«Este é o meu apartamento.»  
«Esse apartamento ao qual você está se referindo é menor do que       este?»

O demonstrativo de 3ª pessoa aquilo indica o que está distante dos interlocutores:

«À medida que envelhecemos, vamos acumulando aquilo que chamo de     segmentos lingüísticos.»

Indica também tempo passado:

«Tudo aquilo foi região cafeeira até meio século atrás.»

O, a, os, as podem funcionar como pronomes demonstrativos quando forem equivalentes a aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo, isso:

 «Nem tudo o que reluz é ouro.» (o = aquilo)  
 «O que tem muitos vícios, tem muitos mestres.» (O= Aquele)

Tal é pronome demonstrativo, quando tomado na acepção de este, isto, esse, isso, aquele, aquilo:

«Tal era naquela época a situação dos pais.»  
«Não disse tal, não creio em tal, não falo mais sobre tal.

nota:
Dependendo do contexto, também podem desempenhar o papel de pronome demonstrativo: mesmo, próprio, semelhante, tal e o, as, os, as (quando equivalendo a aquele(s), aquela(s), aquilo).

Os pronomes relativos

Os pronomes relativos retomam um termo expresso anteriormente, por isso mesmo chamado antecedente.

O pronome onde é invariável, não flexionando em gênero e número:

«Outros quatro estão lotados no município de Ilhota, onde pelo menos 15 pessoas morreram.»

Mesmo e próprio variam em gênero e número quando tem caráter reforçativo:

«Ela mesma faz isso, elas mesmas fazem isso, eles próprios cozinham, elas próprias cozinham.»

O pronome relativo quem:
Relacionando a pessoa citada anteriormente, vem sempre precedido de preposição:

«Surge então João Pedro, a quem Felipe pede conselhos e faz          confidências.»

Usa-se com referência a pessoas:

«O juiz vai decidir quem ficará com os impressos da família.»

Quando o pronome relativo quem vem sem antecedente, ou seja, sem a preposição exigida pelo verbo, ele passa a ser pronome indefinido:
«Foi o próprio Saramago quem escolheu fazer o lançamento de 'A Viagem do Elefante.»
(Editado no Brasil pela Companhia das Letras) em São Paulo.

Como pronome substantivo, o pronome quem refere-se sempre a pessoas ou a algo personificado:
«Quem podia esperar que aqui tivesse só comidas típicas?»

O pronome relativo que pode:

  • Iniciar uma oração subordinada adjetiva restritiva:
    «Os livros que me deram foram usados.»

  • Ser usado com preposições monossilábicas como é o caso 'do' e 'em':
    «... e muitas vezes em condições melhores do que aquela em que a indústria captou no início do processo.»
    (fonte: Disponível em: O Estado de S. Paulo-- 26 de novembro- Agrícola,p.5)

  • O pronome relativo que tanto pode ser empregado com relação a coisas, quanto a pessoa:
    «Essa é a mulher que me amou profundamente.»
    «Aquela foi a região que eu mais conhecia.»

  • O pronome que como pronome substantivo, pode significar que coisa:
    «Que teria feito aquele homem de branco?»

  • Como pronome adjetivo, refere-se a pessoas ou coisas; pode significar que espécie de:
    «Que mulher bem vestida é aquela?»

  • O pronome relativo 'cujo' exprime idéia de posse, sendo o antecedente possuidor, e o conseqüente a coisa possuída. Note que a regência de certos verbos, exige 'cujo' antecedido de preposição:
    «Só o que não vale é o leitor investir seu estoque de crenças nessas conversas, cujo conteúdo é para ser registrado por um ouvido..»
    (fonte: Disponível em: O Estado de S.Paulo- 29 de novembro- A6)

Pronomes indefinidos

Pronomes indefinidos são aqueles que se referem à terceira pessoa do discurso quanto considerada de modo impreciso, vago, genérico. Os pronomes indefinidos podem se referir a:
Pessoa: quem, alguém etc.
Coisa: algo, tudo etc.
Lugares: onde

O pronome toda vem acompanhado do artigo 'a', exceto quando o pronome antecede o artigo:
«Para que as projeções sejam possíveis, a tela é mantida sobre o palco durante toda a primeira cena da ópera.»
(fonte: Disponível em: O Estado de S. Paulo-- 26 de novembro- D5.)

nota:
Pode dar idéia de conjunto ou quantidade indeterminada:
«Todo o edifício será pintado.» (edifício inteiro será pintado)
«Todo edifício será pintado.» (Qualquer edifício será pintado)

O indefinido algum, alguma, usado depois de um substantivo assume valor negativo equivalendo a nenhum:
«Não tenho dinheiro algum.»
«Não vi pessoa alguma.»

Certo é pronome indefinido quando antecede um substantivo, podendo ou não aparecer precedido de artigo indefinido:
«Certo homem cortou a grama.»

Certo é adjetivo quando aparece posposto ao substantivo:
«O homem certo cortou a grama.»

O pronome cada, invariável, assume a posição de adjetivo quando precede o substantivo ou outro pronome:
«Os abacaxis custaram R$2,00 cada um.» ( e não: cada)

Pronomes interrogativos

Os pronomes interrogativos são os pronomes indefinidos usados na formulação de perguntas (seguidos de interrogação). Fica notável a semelhança entre os pronomes interrogativos e os indefinidos. Porém, os pronomes são classificados interrogativos quando aparecem em frases interrogativas. Os principais pronomes interrogativos são:
Invariáveis: quem, que.
Variáveis: qual, quais, quanto, quantos, quanta, quantas.

Como pronome substantivo qual assume valor seletivo e refere-se a pessoas ou coisas: Qual a diferença entre jornalismo e literatura?

nota:
Qual dos, qual das, qual de são expressões de reforço:
«Qual dos livros de literatura você prefere?»

Como pronome substantivo ou pronome adjetivo, o pronome quanto, sempre tem um valor quantitativo indefinido:
«Quantos livros literários você já leu?»

Participar neste artigo Utilize este botão para adicionar seus comentários. Depois de adicionar seu comentário, você será direcionado para criar um login para validar seu comentário.

Este conteúdo foi originalmente criado por Gloria Galli, nome de usuário Gedini, em 2013-05-16 e está disponível com a licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Brasil. Outros autores também podem colaborar com este artigo.

Você poderá referenciar este artigo com o uso do link abaixo e incluir nota com o nome do autor:

Salvar e enviar para meu e-mail
Votar (1 estrela)
Votar (2 estrelas)
Votar (3 estrelas)

Enviar Você será enviado para criar um 'login' com seu e-mail.