LPeU > artigo > Narrativa - novas ações e novas acomodações

14-05-2013. Gloria Galli (trabalhos acadêmicos, revisões de textos, TCC e normas ABNT)

Enviar via e-mail

Categorias: narrativas | momentos da narrativa | textos narrativos | produção textual |

Chat Dúvidas ou Sugestões

Faça chat com nossos colaboradores

Compreendendo um texto narrativo. Tomamos excertos do texto Nasce um marinheiro. (extraído do obra Daniel Defoe. Robson Crusoé.(adaptação de Werner Zotz).São Paulo:Scipione. 2001.(p.9-11)

A partir do 6º momento o ciclo de ações e acomodações começam a se repetir. Observa-se que as ações dos sujeitos agentes são marcadas por verbos de ação e as mudanças por verbos de processo, e após cada mudança (transformação) ocorre uma acomodação, geralmente marcada por verbos de estado.

No texto que estamos trabalhando, houve a apresentação do cenário, ocorreram ações envolvendo o personagem central,uma tomada de consciência e depois uma acomodação; a partir desse momento, as coisas começam a se repetir: o personagem que tanto desejava conhecer a vida no mar, sentia-se preparado para essa vida. O navio havia ancorado à espera do vento, mas, este surpreeende pela violência com que aparece:

Relendo o trecho:

[..] Outros navios vieram para ao nosso lado. Quando ele surgiu,veio com intensidade muito maior do que a desejada: não era vento,    mas sim uma nova tempestade. Muito perto de nós, dois navios  perderam   seus mastros.Os vagalhões cresciam...  lambiam o convés de proa    a popa.   A âncora rolava de um lugar para outro, impotente.O madeiramerangia,... O terror e o medo estamparam-se nos rostos dos marujos edo capitão.

Novamente ocorre uma mudança, ou seja, uma transformação marcada por um dos verbos de processo: descobriu-se. Essa mudança obrigou os personagens a realizar novas ações. Vejamos o texto:

(...) No segundo dia, descobriu-se um grande rombo no porão. De nada estavam valendo nossos esforços desesperados. A água bombeada para fora era sempre em menor quantidade do que aquela que forçava passagem para o interior do navio. Ouviram-se então tiros de canhão: era o    sinal do capitão pedindo socorro. Um barco pequeno e rápido atendeu  aos roucos lamentos. Aproximou-se e atreveu-se a arriar um bote salva-vidas para nos ajudar... As autoridades da vila, considerando-nos   náufragos, deram-nos comida, abrigo e algum dinheiro, suficiente paraseguir viagem até Londres ou regressar a Hull.

Agora o texto mostra a nova situação em que se encontram os personagens. Os verbos de estado apresentam a nova situação dos personagens, ou seja, uma nova acomodação:

[..] Alojados em diferentes lugares, só fui encontrar meu amigo dois dias depois. Estava acompanhado pelo pai, o capitão do navio         naufragado, que então já sabia como eu embarcara,fugindo de casa.[..]

Em seguida, o texto retoma uma situação de acomodação, dando origem a novo conflito na vida do personagem:

[..] O homem não perdeu a oportunidade de dizer o que pensava: Meu   jovem, é melhor nunca mais embarcar num navio. Você quis viajar como experiência. Muito bem. Já teve a experiência. Aceite-a como um sinalde alerta…

Diante da nova situação, novas ações são acionadas pela vontade do(s) personagem(s):

[..] Argumentei, dizendo que também ele tinha naufragado e, pelo que podia imaginar, voltaria a correr os mares. O capitão      perdeu a  paciencia comigo:...

No final da narrativa, predominam os verbos de estado mostrando a situação final do conflito - o resultado: é o desfecho, que pode ser bom ou ruim.

[..] - Meu caso é diferente. Navegar é minha profissão e meu dever.  Deus do céu! O que fiz para ter um miserável destes no meu barco? Nem por mil libras voltaria a navegar com ele… Virou as costas e foi-se.