LPeU > artigo > Funções da linguagem

13-05-2013.

Enviar via e-mail

Categorias: funções da linguagem |

Jakobson

  • o poeta dos linguistas e o linguista dos poetas.

As funções da linguagem são recursos usados para que haja uma comunicação eficiente. Os primeiros estudos dessas funções foram propostos por Roman Jakobson em sua obra Linguística e Comunicação, em 1970.

As funções da linguagem são resumidas em seis tipos:

Função apelativa (ou conativa)

É centralizada no receptor (destinatário). O emissor quer convencer o receptor, influenciar o seu comportamento, com a intenção de convencê-lo ou dar-lhe ordens. É comum o uso dos pronomes tu, você ou o nome da pessoa. Também usa-se vocativos e imperativos. Função comum em discursos, sermões, propagandas políticas e religiosas, figuras de linguagem. Exemplos:

«Você viu como ficou a roupa da Júlia?»
«Lúcia, corre e veja isso!»
«Você deveria ler o artigo que a Folha trouxe sobre os senadores.»

Função emotiva (ou expressiva)

É centralizada no emissor: expressa suas emoções, seus sentimentos, sua opinião. Comum haver interjeições, exclamações, reticências e uso da 1ª pessoa do singular. Uso dos pronomes pessoais. Função comum em autobiografias, cartas de amor, memórias, poesias líricas, etc. Exemplos:

«Júlia, eu te amo muito - não faça isso!»
«Muito obrigada, não esperava surpresa tão boa assim!»
«Não,... não estou triste, mas também não quero comentar o assunto.»

Função referencial ou denotativa

É centrada no referente. O texto oferece informações sobre a realidade. Usa uma linguagem denotativa, direta, objetiva, prevalecendo 3ª pessoa do singular. Aborda fatos concretos. Linguagem comum dos jornais e livros científicos. Por exemplo:

«As sementes da acácia ficam dentro de uma vagem, que deve ser colhida quando estiver com aspecto de palha seca.(...)»

(Revista Natureza. ano 17. Novembro 2004)

Função fática

Função centrada no canal. Objetiva-se prolongar ou interromper o contato com o receptor, isto é, manter ou não a comunicação. O que se pretende privilegiar não é a comunicação, mas sim, o contato em manter o ouvinte ou o leitor, maior aproximação entre remetente e destinatário. Comum em interjeições, linguagem das falas telefônicas, saudações, propagandas, etc. Ou então, elevar o polegar para dizer que 'tudo continua bem'; a foto do primeiro contato entre celebridades, geralmente flagradas no aperto de mãos, marcando o início da comunicação entre eles. Exemplo clássico:

«- Olá, como vai, tudo bem?
- Alô, quem está falando?»

Função poética

É centrada na mensagem. Preocupa-se com o plano de expressão da mensagem, com sua construção. Uso da linguagem figurada, poética, afetiva, sugestiva, denotativa e metafórica, com fuga das formas comuns. Procura atrair pela estética, pela beleza. Valoriza-se a combinação das palavras. Obras literárias, letras de música, propaganda etc.

«“Lá em cima daquela serra,
passa boi, passa boiada,
passa gente ruim e boa,
passa a minha namorada.”

Guimarães Rosa

Função metalinguística

É centrada no código. Uso da linguagem para explicar a linguagem, ou seja, usa o código para explicar o próprio código. Poesia para explicar a poesia. Um texto que comenta outro texto. Comum nos dicionários, propaganda de propaganda, sinais de trânsito etc. Exemplos:

«Não entendi o que é metalinguagem, você poderia explicar novamente, por favor?
- Metalinguagem é usar os recursos da língua para explicar alguma teoria, um conceito, um filme, um relato etc.»

Outro exemplo:

«EXOFTALMIA (z ou cs) s.f. Saída do globo ocular para fora da órbita»

fonte: Larousse Cultural. Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo. Editora Universo.1992

Recapitulando:
Os elementos da comunicação

Bárbara / 17-08-2019

Concordo com os termos.

Bárbara / 17-08-2019